Tudo era tão fácil e sem complicações naquela cidade! Tentar era realizar, sem grandes burocracias e impedimentos, no caso, me refiro ao dinheiro, cultura, conhecimento e disponibilidade.

Sem empecilhos e dificuldades, estas coisas que por aqui parecem ser uma regra, ali não existia, assim, as coisas fluíam e as pessoas se realizavam em quaisquer que fossem suas profissões e escolhas.

Vi crianças se tornando mestres nas artes, música e esportes com uma facilidade surpreendente, graças a um sistema educacional envolvente, dinâmico e espontâneo.

Pessoas realizadas e satisfeitas de uma maneira em que nem imaginamos conceber.

Acesso, portas abertas, confiança e investimentos sérios por parte dos que governavam.

Adquirir, conhecer, criar e, acima de tudo, obter satisfação plena, desta maneira, o povo não se privava de nada e todos se beneficiavam.

Não sei se foi um sonho, uma visão, um salto, uma lembrança… ou pura loucura! Porém, só de lembrar a alegria que corria solta naquele lugar, me emociono! A palavra que melhor consegue descrever aquele momento é “Liberdade”!

As pessoas eram facilitadoras umas das outras e, com esta consciência, o dinheiro, que parecia ser uma energia sagrada e respeitada por todos, não era contido e represado por poucos, mas fluía entre as pessoas honestamente e sem ganância.

Saber do próximo era saber de si mesmo e, na oportunidade em que ali estive, me disseram ainda que tudo é energia e deve ser utilizado para o bem coletivo!

Aprendi que uma das soluções para tantos males da humanidade era saber elevar o próximo, como benefício próprio.

O seu bem-estar garante a evolução de todos.

Tenhamos fé! 🙂