Você já tentou explicar algo para uma pessoa querida e sentiu dificuldades de se expressar?

Pois é! Aconteceu isso aí!

Conheci um rapaz que tentou explicar para sua namorada que ele tinha umas coisinhas diferentes no seu dia-a-dia, talvez de uma possível realidade, que não era exatamente a que vemos, mas que gostaria que ela entendesse que, mesmo assim, ele era normal.

Juntos, analisamos seu drama e após me contar toda a história, acreditamos que ele quase conseguiu complicar ainda mais o complicado. Sente só como foi este momento:

Ele chegou devagarinho, deu um forte abraçou nela, depois um beijinho,. Sentou ao seu lado e assim que ela terminou de falar, começou a se explicar:

– Sabe? Gostaria que você pudesse ouvir o que eu tenho a dizer. Porém, não me interrompa, apenas escute, pois não sei se conseguirei falar sobre isto novamente.

Deu uma pigarreada, se ajeitou na cadeira e sem mesmo olhar para ela, começou a falar:

– Nem toda história tem que ser estranha, certo?! Bom, é o que eu quero que você entenda. Contarei uma que pode até parecer esquisita, porém, acredite, ela é estranha sim, mas só para quem é acostumado com uma vida que não foge dos padrões aceitáveis, das pessoas comuns. Entende?

Vishi! Acho que vai ser bem difícil contar esta história! Como explicar isto?! Pensou consigo mesmo.

– Ok! Isto já pode estar parecendo bem estranho para você, eu entendo! É que, talvez, quem sabe, meus padrões não sejam assim: “Nossa! Como ele é um cara comum, em uma vida comum e cercado por fatos simples e corriqueiros”. Pois é! O que posso dizer?

Fez um breve intervalo, para ver se havia alguma observação por parte de sua amada, mas como ela não disse nada, prosseguiu:

– Vamos tentar de novo, ok? Imagine que, por um acaso, você conviva diariamente com realidades um tanto quanto diferentes, então, quem sabe, esta história que contarei a seguir não seja assim tão estranha, não é mesmo?

Ela continuava em completo silêncio, enquanto ele se sentia muito desconfortável, mas cria ter a obrigação de contar sobre seus segredos, afinal, tinham que ser sempre verdadeiros um com outro, era o combinado e, acima de tudo, ele a amava!

– Muito bem, vamos lá! Era uma vez um cara que, apesar de ser um pouco fora do “normal”, tem uma história que, mesmo aparentando ser diferente… Ok, ok! A história vai parecer, na realidade, bem estranha e difícil de contar, pois aparentará uma mentira, mas nada é exatamente como você acredita que seja, ou melhor, tudo é apenas o que você acredita, por isso que você acaba percebendo que histórias fora destes padrões considerados “normais” não sejam muito comuns.

Ele suava e buscava uma maneira de revelar o que estava incomodando e pensava consigo mesmo: –Eita que Isto está bem difícil!

Respirou fundo e depois, foi falando:

– Sua visão acostumada com o que te mostram, não permite que você veja, mas aí neste caso, posso lhe afirmar que a estranha, e desculpe te chamar assim, no final das contas, é você que não vê o que acontece pela vida afora e por estar assim tão distraída, acaba por acreditar que o estranho é o que a vida nunca te mostra!

Ele tremia, as mãos suavam e sua cabeça viajava a milhão: – Ufa! Como é difícil explicar as coisas para quem não percebe a realidade à sua volta, assim, da maneira que alguns conseguem ver! Pensava aflito, pois imaginava que ela deveria estar odiando aquela conversa.

Ele queria sair dali com tudo resolvido, mesmo que ela não o aceitasse mais. Ele fez um carinho em seus cabelos, que saia de dentro da toquinha meiga que ela usava e que a deixava ainda mais bonitinha naquele frio.

Ele pegou a mão dela com delicadeza, ela apenas sorriu de volta, mas continuou em silêncio, dando entender que ele podia prosseguir com sua conversa maluca.

Ele respirou um pouco, fechou os olhos, buscou uma inspiração, e continuou falando:

– Sei que você deve estar confusa com minha falação, mas isto é muito importante para mim e, por isso, vou explicar devagar, ok?

Fez a costumeira pausa, como é seu jeito de se expressar, então prosseguiu com sua explicação esdruxula:

– Entenda que, à sua volta e em torno de você, agora, neste exato momento, acontecem situações e passam tantas coisas que são não muito comuns, e são tantas as realidades, que acabo por acreditar em que, quem sabe, seja até melhor ficar assim mesmo, sem explicação e apenas crer no que se vê. Porque é difícil explicar algo que não é corriqueiro para uma pessoa, né? Creio que você deva ter estes momentos em sua vida também, não é mesmo?! Não é?

Como ela parecia não querer ainda dar uma opinião conclusiva, foi falando:

– Pois é, talvez, e isso não é oficial, já que a humanidade têm a incrível capacidade de se adaptar a tudo. Só que, ainda assim, imagino que você sofreria demais se descobrisse que a vida é muito mais ampla, agitada e inacreditavelmente bem mais maluca do que se vê por aí. Creio que seja melhor nem falarmos no assunto!

Ela balançou a cabeça, o que ele entendeu como se pedisse que deveria continuar falando, e foi o que ele fez:

– Enfim, tentemos de novo, ok? Há uma vida e ela pertence a um homem, aparentemente comum, mas que no final das contas é beeeem diferente das pessoas ditas normais, que vivem por este mundo afora!

Um pouco irritado, deixou escapar um: Catzo!  – E pensou – Acho que ainda não cheguei lá e começo a acreditar que não conseguirei contar esta história, que para mim é bem comum, normal e esta por aí, todos os dias de nossas vidas, mas que ao tentar contá-la, acabo me sentindo um pouco idiota, já que não acredito que serei levado à sério!

– Você já teve dificuldade em dizer algo? Isto já aconteceu com você?! Perguntou, mas o silêncio dela era de matar.

– Puxa! Não está legal! Não creio que serei capaz de contar, pois percebo não ser capaz de explicar algo que para você não existe e vou ter que deixar assim mesmo, não tenho como contar uma história que já de início não se explica direito.

Ele remoía seus pensamentos e imaginava uma forma de revelar o seu mundo para ela, mas tinha medo de perdê-la:

– Apenas tente imaginar que tudo que está aí, não é bem assim, ok?! Por enquanto, vamos continuar em frente e tudo bem! Um dia, quando estivermos mais bem preparados, onde eu estarei à vontade de contar e você em ouvir, darei prosseguimento! O que acha?

Ela levou as mãos à orelha, retirou um dos fones de ouvido, fez um carinho em seu rosto, e perguntou:

– O que você falou?

Ele, bem sem graça, respondeu:

– Você está linda hoje!

Ela deu outro beijinho nele e ele, muito aliviado, apenas sorriu de volta.

 

 

 

 

 

 

Anúncios